Directório União Europeia

Fundo alemão propõe 50 serviços a inquilinos de escritórios (2)

Gestora de activos do gigante de seguros Munich Re controla em Portugal sete edifícios avaliados em 100 milhões.

Para se diferenciar da concorrência, o fundo alemão MEAG - gestor de activos de 100 milhões de euros em Portugal do grupo segurador Munich Re - está a propor aos futuros inquilinos do seu edifício de escritórios D. Diniz, na Quinta da Fonte, em Oeiras, cerca de 50 serviços através da empresa Mordomias. "O sucesso que obtivemos em Paris e noutras cidades fez com que importássemos o conceito de escritórios com serviços para Portugal", explica Stefan Unterburger, gestor de activos da MEAG. O serviço poderá ser contratado directamente pelo inquilino do edifício ou individualmente pelos funcionários. "Existe as duas opções: ou o inquilino contrata com a empresa de prestação de serviços, ou o funcionário paga os serviços que utilizar", defende André Almada, da CBRE.

Na entrada principal do edifício D. Diniz, comprado pela MEAG em 2002, haverá um ‘conciérge' disponível para responder aos pedidos dos colaboradores das empresas que aí se irão instalar. "Os colaboradores poderão dispor de serviços de lavandaria, compras pessoais, como medicamentos, transporte para crianças, ou ‘baby-sitting', entre outros", conta André Almada. A oferta destes serviços permite aos colaboradores maior dedicação às tarefas na empresa, aumentando dessa forma a produtividade. Duas empresas já se mostraram interessadas no conceito do D. Diniz. "Duas empresas internacionais, com presença em Portugal, procuram espaços mais pequenos e perspectivam ficar no D. Diniz", diz. As duas empresas poderão arrendar 3.500 metros quadrados (m2), mais de metade da área do imóvel (6.500 m2).

Investimento é de longo prazo

A MEAG é uma ‘subholding' do gigante Munic Re, uma das maiores seguradoras da Europa, e responsável pela gestão de dez mil milhões de euros em activos imobiliarios. Em Portugal, a MEAG gere sete edifícios na Grande Lisboa com um valor superior a 100 milhões de euros. Apesar das dificuldades neste momento em arrendar espaços de escritórios, o representante da MEAG para Portugal não se sente pressionado para reduzir a sua presença no mercado nacional. "A MEAG tem uma perspectiva de investimento de longo prazo. Claro que tornou-se mais difícil encontrar inquilinos para os prédios em Portugal, mas essa é uma situação em que estamos confortáveis", disse Stefan Unterburger.

E há perspectivas para novos investimentos em Portugal? "Uma compra depende das oportunidades. Neste momento não temos uma lista de prédios, mas no médio prazo isso poderá acontecer", frisou ainda Unterburger. Para já, este conceito que a CBRE está a promover em nome da MEAG apenas será aplicado a este edifício do fundo alemão, não estando previsto alargar a outro dos seis imóveis do grupo em Portugal.

Fonte: http://economico.sapo.pt/noticias/nprint/130049.html

Share

© Directório União Europeia 2013 | Site desenvolvido por Webtraços, Lda.

Top Desktop version